Um domingo qualquer

Às nove horas da manhã, em um dia atípico, o celular desperta preenchendo o vazio silencioso do quarto com sua voz robotizada e feminina: É-hora-de-acordar-são-nove-horas. Claro, não acordei no mesmo instante, quando o tomei nas mãos para desligar, vi que se passara meia hora do programado para despertar… Diga a verdade: em pleno domingo, quem … Ler mais