Corrente do mal – Netflix

Compartilhe agora mesmo

Com a vida corrida de todos os dias, nada mais comum que intercalarmos o que gostamos de fazer com nossos deveres, por isso, antes de enfrentar a pia repleta de louças, peguei o celular e escolhi um dos títulos de minha lista da Netflix.

O escolhido, um filme chamado “Corrente do Mal” de 2014. Geralmente, escolho filmes que não chamam muito atenção justamente para não correr risco de quebrar mais copos e mais pratos, mas, surpresas acontecem… Não com pratos ou copos, para minha sorte…

Ao dar play, logo nos primeiros segundos percebi que estava diante de um filme que parecia ser muito interessante. Já iniciava com uma garota nada comum sendo perseguida. Digo, nada comum, por causa da péssima escolha em suas vestes de passeio. Justo naquele dia que inventara de colocar um short curto e um sapato de salto alto, decidiram persegui-la por aí.

Enfim, ela consegue fugir mesmo correndo com dificuldade por causa do sapato; por causa da bolsa que carregava e por fazer tudo isso falando ao celular. Por sorte, mesmo com tudo isso para atrapalhar o desenvolvimento de sua fuga, ela consegue chegar a uma praia… Bom, uma pessoa racional, procuraria uma praia mais movimentada em vez de uma praia deserta, sem a possibilidade do auxílio de alguma alma caridosa.

Não apareceu como e por quem a garota foi assassinada… Ponto positivo, indicava que poderíamos estar diante de um filme repleto de suspense… Ainda mais pela forma que dispuseram o corpo da garota, particularmente, resultaria em um belo quadro para se pendurar na sala de estar (de algum escritor de terror é claro).

O enquadramento da câmera e a fotografia ficaram perfeitas, mas, por incrível que pareça, mesmo assassinada de maneira tão brutal e tão contorcionista, acreditem ou não, lá estava o belo e perfeito calçado para fuga pendurado em seu pé.

Apesar das estranhezas, o filme chamou atenção e instigou. Larguei a louça e, disfarçadamente, comecei a prestar atenção. Como disse, o filme é de 2014 e foi dirigido e escrito por David Robert Mitchell. Ainda não conta com nenhum grande filme no curriculum, mas, esse a Corrente do Mal, tem ares metafóricos que nos fazem refletir um pouco… Sabe aqueles filmes que nos fazem assimilar uma determinada situação…

Como um bom serial killer, vamos por partes

Então vamos ao filme… a história fala a respeito de uma garota chamada Jay que foi amaldiçoada por um cara que, até então, era gente boa… Essa maldição foi passada para ela através do sexo e, após o ato, esses pecadores, eram perseguidores por aquelas famigeradas aparições que sempre caminham na mesma velocidade dos grandes assassinos clássicos.

O muy amigo que passou a maldição para a garota foi muito gente boa e recomendou que fizesse o mesmo, ou seja, transasse com outra pessoa que a maldição passaria adiante, porém, mesmo assim, a pessoa da vez, não poderia ser morta pela aparição, caso contrário, rolaria um efeito dominó em todos os passadores.

E assim, seguimos o decorrer dos segundos… acompanhamos Jay, sua irmã e alguns amigos na busca por uma solução para aquele caso, afinal, a garota tem princípios e busca outras formas de se livrar da maldição, recusa-se a passar tal sensação de morte através de um ato que era para ser prazeroso e não, pesaroso. Apesar que, chega um momento que a porca entorta o rabo e não tem jeito, para se salvar, ela acaba sendo seduzida pela morte.

E claro que não poderia ter transado com ninguém menos que o típico cara misterioso que, até então, mora do outro lado da rua e parece não se importar tanto com a garota, ao contrário do amigo da irmã que não arrasta apenas uma asa para Jay mas sim, um caminhão.

O lado poético do filme

A metáfora é um artificio da poesia, porém, pode ser agregada em outras expressões de arte. No filme em questão, podemos ver essa maldição como algo que não conseguimos escapar, que sempre estará por perto para nos lembrar que iremos morrer de alguma forma.

Com esse pensamento, podemos dizer que o filme faz uma alusão aos pacientes que sofrem com doenças transmissíveis através de relação sexual. Algumas, com tratamento, pode até existir cura, porém, outras, podem nos levar a morte após longos anos de espera, solidão e sofrimento.

Esse é um ponto bem interessante do filme, Maika Monroe que interpreta Jay, consegue passar tamanha tristeza e apreensão que se transforma no cimento que alicerça as paredes psicológicas que são construídas em torno da situação. Claro que os amigos ajudam nessa construção, como também Keir Gilchrist que interpreta Paul, o garoto apaixonado pela garota que, devido alguns olhares poderia jurar que ele tomaria alguma outra atitude ainda mais drástica…

Enfim, analisando esse filme pela mensagem diluída ou como preferir chamar, disfarçada, é um filme interessante que nos faz pensar por um instante como é saber que poderemos morrer a qualquer instante e que, outro detalhe, por causa de apenas alguns minutos de prazer com um estranho, afinal, a primeira transa de qualquer relacionamento sempre será com alguém que ainda não nos é conhecida.

Outro ponto é o fato de, em nenhuma das transas do filme, ouvir alguém perguntar a respeito de preservativo, indicando que ninguém se importa com sua própria proteção, por isso, o filme pode ser considerado como um aviso a respeito dos cuidados que precisamos tomar com quem nos deitamos.

Claro, não vamos ter nenhum fantasma nos perseguindo no estilo Jason como no filme, mas teremos fantasmas ainda muito maiores em nosso encalço, fantasmas que não precisam de escuridão ou qualquer clima soturno para parecer; esses fantasmas tenebrosos ficam em nossas mentes alimentando nosso pior e mais amargo arrependimento.

Vale a pena assistir ao filme?

Sim, vale sim. Todo filme é válido por se tratar de uma obra de arte. Sinceramente, até incentivo assistir qualquer filme que busque por informações na internet. Cada um de nós contamos com uma bagagem, um estilo, uma predileção e também de um espírito no momento que estamos assistindo, por isso, dê uma chance e assista a Corrente do Mal, beleza? E depois, se você quiser vir me contar o que achou… É só aparecer. Forte abraço e bons filmes!

Ano: 2014
Duração: 1h 40min
Gênero: Terror
Direção: David Robert Mitchell
Roteiro David Robert Mitchell
Elenco: Maika Monroe, Keir Gilchrist, Daniel Zovatto
Título original: It Follows
Proibido para menores de 14 anos

Sinopse:

A jovem Jay (Maika Monroe) leva uma vida tranquila entre escola, paqueras e passeios no lago. Após uma transa, o garoto com quem passou a noite explica que ele carregava no corpo uma força maligna, transmissível às pessoas apenas pelo sexo. Enquanto vive o dilema de carregar a sina ou passá-la adiante, a jovem começa a ser perseguida por figuras estranhas que tentam matá-la e não são vistas por mais ninguém. (fonte: adorocinema)

Assista ao trailer:


Compartilhe agora mesmo

Deixe um comentário